The Brave One

Há já bastante tempo que tinha prometido a mim mesmo que iria ver este filme. Já leva uns valentes meses de atraso mas, finalmente, foi desta. E ainda bem que assim foi… ainda bem que não adiei mais.

The Brave One, ou Estranha em Mim em português, é, para mim, um dos grandes filmes “pouco falados” de 2007. Já toda a gente sabe que Jodie Foster é uma das mais talentosas meninas que Hollywood nos ofereceu na última década, e The Brave One só vem provar que, há medida que o tempo vai passando, esta senhora só consegue melhorar cada vez mais.

14brave-600

O filme conta-nos a história de Erica Bain (Foster), uma locutora de rádio norte-americana que vive apaixonada com o seu namorado David Kirmani (Naveen Andrews, de Lost). Quando tudo parece bem encaminhado para o seu casamento, acontece o impensável: tudo é deitado a perder por um grupo de rufias que têm como objectivo estragar-lhes a divertida noite num parque citadino. Tentando safar-se da situação, o casal acaba por ser brutalmente agredido. David não consegue resistir e acaba por morrer, deixando Erica à beira do colapso total. Preenchida por uma enorme sede de vingança pessoal, mas também movida pelo seu sentido de justiça pessoal, a única forma que encontra para combater o medo que sente de sair à rua é enfrentando-o com uma arma em punho.

Realizado por Neil Jordan, sem dúvida que The Brave One é um filme perigoso, motivador de sentimentos menos “democráticos” (talvez de encontro a séries como Dexter, sem que as semelhanças se façam sentir…), no entanto fá-lo de uma forma muito sentimental, muito emotiva e, principalmente, pessoal. É bravo, ele próprio, na forma como foca o tema e consegue tornar um tema tão complexo, vivido na pele de uma única entidade, dando-lhe uma cara, um choro, um grito.

Não cai nos lugares comuns do género, distancia-se do lado criminoso e fá-lo com classe, tornando a história menos “acção” e mais “emoção” (ou falta dela).

The Brave One é, no geral, tão sóbrio quanto a personagem que lhe dá vida. Não falha no argumento nem em qualquer outro aspecto, no meu entender. No entanto, não sou muito fã de Terrence Howard, pelo que preferia outro no seu lugar. Quanto a Jodie Foster, vejam vocês mesmos!

One thought on “The Brave One

  1. Convite Red Carpet

    Após as filhoses, bolo rei e champanhe, nada melhor do que uma nova edição da Red Carpet para entrar no ano em grande!

    Começamos mais um ano que se mostra melhor ainda que o anterior. Bom cinema, e com certeza com algum menos bom, mas acima de tudo, grandes emoções a serem vividas nas salas portuguesas.

    Com esta edição chegamos também a um ponto que, muito provavelmente, nem percebiamos que lá estávamos a chegar. Sendo esta a edição de Janeiro, muitos já perceberam que a próxima edição será comemorativa! Um ano de vida da Red Carpet! Mas deixemos as comemorações para a edição que vem… por agora, aproveitemos em pleno esta edição que está cheia de bons conteúdos! Vejam por vocês mesmos! E não tenham receio de opinar sobre a revista, ou qualquer outro conteúdo no nosso site!

    http://revistaredcarpet.com/

Queres falar agora?

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s